Nos acompanhe

Artigos

Artigo: Aristóteles e a política atual

Publicado

em

Maria Aparecida de Oliveira Silva

A política rege todas as outras ciências

Por vezes, furtam a responsabilidade da política de garantir a felicidade e os direitos dos seres humanos. Mas como garantir isso? Em Política, publicada pela Edipro, Aristóteles compreende o indivíduo, o seu papel na sociedade e na organização, a fim de avaliar as formas de governo e como esta metodologia poderia alcançar um mundo ideal.

A nova tradução feita pela professora Maria Aparecida de Oliveira Silva – mestre em história Econômica, doutora em História Social (USP) e pós-doutora em Estudos Literários (UNESP) – primou em demonstrar originalmente os ideais de política de Aristóteles e, assim, compreender a formação, a estrutura e o desenvolvimento da vida em comunidade.

Após se tornar receptor do Alexandre – O Grande, o filósofo e pensador concluiu que a política influencia em todas as outras ciências de forma efetiva. Declarava que o Estado é como uma associação, uma vez que esse modelo propicia o interesse de todos por um bem comum.

Aristóteles é considerado o primeiro grande mentor de assuntos públicos e declara que é impossível idealizar um indivíduo sem o Estado e que, entendendo as pessoas como animais políticos, não é possível viver sem a sociedade. Neste sentido, as comunidades, as cidades e até mesmo os estados são frutos da tendência do ser humano de agrupamento.

Para o filósofo grego, o principal motivo desta associação humana é o bem comum, capaz de proporcionar felicidade aos seus cidadãos e prosperidade à cidade. A instituição de leis e a sua observância são fundamentais para que a comunidade seja uma associação humana feliz e próspera. Estas e outras reflexões atemporais compõem esta cuidadosa tradução anotada. Inclui apêndice com a tradução de “Da Monarquia, Democracia e Oligarquia”, de Plutarco.

Política compõe o catálogo da Editora Edipro que conta com 14 obras de Aristóteles: Órganon; Da Geração e Corrupção; Retórica a Alexandre; Retórica; Poética; Parva Naturália; Metafísica; Ética – Textos Selecionados; Ética a Nicomaco; Ética a Eudemo; Do Céu; Da Alma (De Anima); Constituição de Atenas e Categorias.

Sobre o autor: Aristóteles (384 a.C. – 322 a.C.) foi um importante filósofo grego, aluno de Platão e professor de Alexandre, o Grande. Seus escritos abrangem diversos assuntos, como a física, a metafísica, a poesia, o teatro, a música, a lógica, a retórica, o governo, a ética, a biologia e a zoologia. Com Platão e Sócrates (professor de Platão), Aristóteles é visto como uma das figuras mais importantes e um dos fundadores da filosofia ocidental. Seu ponto de vista sobre as ciências físicas influenciou profundamente o cenário intelectual e medieval e esteve presente até o Renascimento. Nas ciências biológicas, a precisão de algumas de suas observações foi confirmada apenas no século XIX. Suas obras contêm o primeiro estudo formal conhecido da lógica. Na metafísica, o aristotelismo teve uma influência profunda no pensamento filosófico e teológico. Todos os aspectos da filosofia de Aristóteles continuam a ser objeto de um ativo estudo acadêmico nos dias de hoje.

Continue Lendo

Artigos

Aguinaldo é o nome na majoritária de João ao Senado… e ponto final!

Publicado

em

O deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP), que também é o líder da Maioria no Congresso, em Brasília, é o nome na chapa majoritária do governador da Paraíba, João Azevêdo (PSB), ao Senado.

A informação foi confirmada ao @portaldacapital por uma fonte segura que ainda fez questão de ressaltar a importância do poder de articulação e negociação do prefeito Cícero Lucena (PP) neste processo.

A fonte ainda frisou que o principal nome de João para o cargo é o de Aguinaldo pela experiência política de alto nível que ele possui.

Aguinaldo Ribeiro é um parlamentar paraibano que tem capacidade de transitar de modo elegante e eficaz por todos os corredores políticos de Brasília independente de quem esteja na Presidência da Câmara Federal, do Senado ou, até mesmo, da República. Tanto que foi ministro das Cidades na gestão da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e hoje é líder da Maioria no Congresso no mandato de Jair Bolsonaro (PL).

E é desse nível de político que possui essa experiência que o governador Azevêdo não abre mão.

A demora, argumenta a fonte, é para que tudo esteja plenamente alinhado em termos de conjuntura para que a chapa se torne sólida e coesa o suficiente para entrar na disputa eleitoral com a força de quem tem plena condição de vitória em um pleito.

De acordo com a fonte, tudo o que se falou sobre um suposto recuo de Aguinaldo com vistas à disputa para o Senado não passou de especulação numa tentativa de confundir a opinião pública que acompanha o universo político apenas de modo superficial. Mas, quem tem um olhar mais apurado sobre a política paraibana sabe que não existe demora na decisão final de João, até porque o prazo da Justiça Eleitoral para apresentação da chapa definitiva ainda não terminou.

A fonte revelou, porém, que o Partido Republicanos é, de fato, um ponto de impasse por oferecer um apoio “quebrado” à chapa de Azevêdo dando suporte ao nome do governador e ao do deputado federal Efraim Filho (União Brasil) ao invés de apoiar a chapa inteira com o nome de Aguinaldo, mas, a mesma fonte afirmou que “este fato ainda é negociável”.

Aguardemos então… os próximos capítulos dessa novela.

Continue Lendo

Artigos

Conversas de Brasília: Aguinaldo avalia 3 saídas, inclusive aliança com Cunha Lima

Publicado

em

Bombardeado por perguntas dos apresentadores Victor Paiva e Lázaro Farias sobre a relação política com a família Ribeiro, o prefeito Bruno Cunha Lima (Campina Grande), numa entrevista ao programa Correio Debate, na última terça-feira, contemporizou e deu a entender que aguardava uma posição sobre aliança do deputado Aguinaldo Ribeiro (PP).

Os apresentadores insistiram. Bruno não evoluiu nas respostas, mas deu sempre a entender que a aliança que mantém com a família Ribeiro (Lucas Ribeiro, filho da senadores Daniella Ribeiro, é o vice-prefeito), a depender de decisões políticas, poderia ser mantida intacta.

Não deve passar despercebido aqui, que o prefeito Bruno recuou de uma declaração dada nos últimos dias de março, quando a senadora Daniella assumiu o controle do PSD, tomando o partido de Romero Rodrigues, ameaçando fazer uma limpeza de aliados na Prefeitura.

Por que Bruno recuou lá atrás e agora se faz de misterioso?

Conversas vazadas de Brasília nas últimas horas talvez contenham a explicação.

Estaria havendo um movimento nos bastidores, lá no Planalto, tocado pelo ex-senador Cássio Cunha Lima e o deputado Welington Roberto, no intuito de unificar toda a direita na Paraíba para a disputa das eleições de outubro. Tentam fazer o presidente Bolsonaro comprar a ideia. A presença de Pedro Cunha Lima em Itatuba, na semana passada, teria sido um gesto.

A novidade é que o deputado Aguinaldo Ribeiro estaria sendo tentado pelo movimento da direita. Além da possibilidade de formação de uma aliança de maior porte para a disputa das eleições estaduais, com a participação de Bolsonaro, haveriam interesses específicos do interesse do Progressistas em Campina Grande. Assim, Cunha Lima e Ribeiro se afinariam.

Neste caso, Aguinaldo seria apenas candidato a deputado federal. Teria dificuldade de levar Cícero, mas os interesses nacionais do partido seriam seguidos.

Em não dando certo o movimento pela unidade da direita, segundo os vazamentos de Brasília, o deputado Aguinaldo Ribeiro se inclinaria pelo lançamento da candidatura da senadora Daniella Ribeiro ao governo do Estado. Pesquisas indicariam a possibilidade de chances, apesar da dificuldade de formar uma aliança mais ampla. Mesmo sem êxito agora, o nome de Daniella estaria sendo trabalhado para o futuro.

Nesta hipótese, Aguinaldo tentaria convencer Cícero a largar o governador João Azevedo e apresentar o candidato a vice-governador.

Mas não está totalmente descartada a permanência do Progressistas na aliança com o governador João Azevedo, mas sem Aguinaldo como candidato a senador. Só muito remotamente ele será candidato ao Senado.

No caso da manutenção da aliança com João, o projeto seria bancado pelo prefeito Cícero Lucena, que precisa da parceria com o governo do Estado para tentar chegar bem em 2024.

As conversas vazadas de Brasília chegam com ares de articulação. Difícil é fazer a checagem.

Continue Lendo

Artigos

Diz-me com quem andas e direi se vou contigo…

Publicado

em

O prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSD), está cobrando da ‘Família Ribeiro’ mais transparência acerca das suas definições políticas com vistas às Eleições 2022.

Bruno está preocupado porque o seu dia a dia partidário e até administrativo está ligado aos ‘Ribeiros’ através de Daniella Ribeiro, que é presidente do PSD (legenda a qual é filiado) e de Lucas Ribeiro (PP), que é filho de Daniella, sobrinho de Aguinaldo Ribeiro e vice na sua gestão à frente da Prefeitura Municipal de Campina Grande (PMCG).

O ponto de incômodo foi gerado a partir do momento em que a ‘Família Ribeiro’ cogitou aproximação com o Governo do Estado e esboçou a possibilidade de participar da chapa governista através de Aguinaldo como pré-candidato de João Azevêdo (PSB) ao Senado pela Paraíba.

E esse é o problema: cogitar possibilidades sem nenhuma confirmação oficial de que estão do lado governista de fato ou do oposicionista.

Por causa dessa indefinição, Bruno passou a ‘pisar em ovos’ no dia a dia por não saber se os ‘Ribeiros’ estão ou não no mesmo barco no qual ele navega pelos mares da oposição ao Governo Estadual e de apoio a gestão do atual presidente Jair Bolsonaro (PL).

Sobre o assunto, o vice-prefeito de Campina Grande, Lucas Ribeiro, disse, recentemente, esperar que a presença do tio, Aguinaldo, na chapa do governador, não afete a relação do partido ao qual é filiado, junto ao atual prefeito, Bruno.

Porém, Bruno insiste no fato de que o processo tem que ser conduzido às claras e não da forma que está, até porque, caso os ‘Ribeiros’ confirmem as possibilidades, ele, enquanto prefeito, precisa decidir como enfrentar uma provável ‘saia justa’ perante o eleitor de Campina Grande, ao tentar justificar que o seu  vice, que é o seu companheiro de gestão, que foi escolhido a dedo, passou a defender e pedir voto para pessoas que representam administrações nas quais ele não acredita.

O que se percebe é que enquanto a ‘Família Ribeiro’ leva todo mundo em banho-maria no ‘frigir dos ovos’ e com o passar do tempo, Bruno só quer uma resposta: ‘diz-me com quem andas e direi se vou junto…’.

Continue Lendo