Nos acompanhe

Paraíba

Hospital Metropolitano realiza ação de conscientização para prevenção da insuficiência cardíaca

Publicado

em

O dia 9 de julho é dedicado ao Dia Nacional de Alerta contra a Insuficiência Cardíaca e o Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires, pertencente à rede estadual de saúde, realizou uma ação, na manhã desta terça-feira (9) para conscientizar pacientes e acompanhantes sobre a doença que é um distúrbio em que o coração não consegue suprir as necessidades do corpo, causando redução do fluxo sanguíneo, refluxo (congestão) de sangue nas veias e nos pulmões e outras alterações que podem debilitar ou enrijecer ainda mais o coração.

A ação, organizada pelo Ambulatório da unidade hospitalar, gerenciada pela Fundação Paraibana de Gestão em Saúde (PB Saúde), contou com um café da manhã para recepcionar os pacientes para a realização de consultas,  mostrando que a alimentação saudável é um dos pilares para a prevenção da insuficiência cardíaca. Houve também a distribuição de material explicativo, aferição da pressão arterial e teste glicêmico.

Para Ana Karina da Silva, do município de Lucena, o momento foi muito importante para muitas pessoas, inclusive para ela que teve a oportunidade de fazer o teste de glicemia e verificar a pressão. “Já sou paciente do Hospital Metropolitano e só tenho a agradecer pelo excelente trabalho feito aqui. Hoje tive a oportunidade de saber mais sobre a insuficiência cardíaca, além de fazer o teste de glicemia e verificar minha pressão. Quero também deixar registrado o meu agradecimento pelo ótimo atendimento tanto da recepção, do pessoal do ambulatório e dos médicos”, agradeceu Ana Karina.

De acordo com a cardiologista do Hospital Metropolitano, Roberta Barreto,  os fatores de risco para o infarto agudo do miocárdio também são os mesmos fatores de risco para a insuficiência cardíaca. “O paciente hipertenso, diabético, com colesterol alto, que está acima do peso, que é sedentário, esses pacientes são de maior risco para desenvolver a insuficiência cardíaca, e em caso da doença se agravar, pode necessitar, inclusive, de um transplante cardíaco”, explicou a cardiologista.

Segundo a coordenadora do Ambulatório, Patrícia Monteiro, o objetivo do evento é orientar os pacientes sobre a importância dos hábitos saudáveis com  orientações médicas, promovendo a conscientização para a prevenção e tratamento da insuficiência cardíaca. Ela ressaltou que os atendimentos para os pacientes com a patologia acontecem às quintas-feiras, e para ter acesso ao serviço o usuário precisa ir à uma unidade de saúde de qualquer município paraibano e receber o primeiro atendimento. A unidade emitirá uma Autorização de Procedimentos Ambulatoriais que será levada para a regulação municipal. A Regulação Municipal enviará um e-mail com a solicitação para Regulação Estadual que irá agendar o atendimento no ambulatório do Hospital Metropolitano.

Quem já utiliza o serviço é o aposentado Francisco de Assis Pereira, de 66 anos, da cidade de Guarabira. Ele era vigilante e precisou se aposentar devido à doença. O paciente relatou que começou a sentir os sintomas no final do ano passado, com muita dor no peito e falta de ar, foi quando procurou a ajuda médica. Francisco elogiou o atendimento recebido no hospital e disse ter esperança de que com o acompanhamento médico tenha uma melhora dos sintomas. “Eu vivo pelas graças de Deus, estou na luta e batalhando para poder melhorar. Estou sendo muito bem atendido e tenho esperança que dias melhores virão”, comentou o aposentado.

O paciente está sendo acompanhado pela cardiologista Amanda Duarte, que enfatizou que os três principais sintomas da insuficiência cardíaca são a falta de ar, os pés inchados e a dificuldade para fazer as atividades básicas como tomar banho, andar dentro de casa, dormir sem travesseiro, dormir com decúbito zero (dormir plano na cama). Ela orientou que todo paciente, a partir dos 40 anos de idade, já tem indicação de fazer uma consulta médica com o cardiologista, principalmente se ele tem fatores de risco cardiovasculares. “Então se é um paciente obeso, sedentário, diabético, tabagista, que tem história familiar de colesterol alto e de doença cardiovascular, a partir dos 40 anos, ele tem indicação, pelo menos uma vez ao ano”, pontuou a médica.

A cardiologista explicou que o principal tratamento da insuficiência cardíaca vai depender de qual é a causa da doença. “A insuficiência cardíaca é uma síndrome composta por sinais de sintomas, o que o paciente sente, o que é que ele apresenta de alteração e que precisa ter uma causa bem esclarecida. Então, a principal causa da insuficiência cardíaca no Brasil é isquêmica, que é o pós-infarto agudo do miocárdio, mas a gente também tem insuficiência cardíaca por hipertensão, que não foi bem tratada ao longo do tempo. O alcoolismo também pode ser uma causa, assim como a doença de Chagas. A maior parte dos pacientes será o tratamento medicamentoso”, explicou Amanda Duarte.

Principais sintomas da insuficiência cardíaca

  • ao acúmulo de fluidos nos tecidos, resultando em inchaço especialmente nas pernas, tornozelos, pés ou abdômen;
  • ao excesso de líquido nos pulmões, que dificulta a troca eficiente de oxigênio, levando à falta de ar e cansaço durante atividades físicas ou mesmo em repouso;
  • à fraqueza e incapacidade de fazer esforço, devido à diminuição do fluxo sanguíneo e ao fornecimento inadequado de oxigênio e nutrientes aos músculos.

Fatores de risco para insuficiência cardíaca

●     Hipertensão

●     Válvulas cardíacas anormais

●     Aumento do coração (cardiomiopatia)

●     Histórico familiar de doença cardíaca

●     Diabetes

●     Alto consumo de álcool

●     Anemia

●     Irregularidades no ritmo cardíaco

●     Quimioterapia

Prevenção da insuficiência cardíaca

A prevenção da insuficiência cardíaca envolve a adoção de um estilo de vida saudável e o controle dos fatores de risco, mantendo um estilo de vida saudável como:

  • manter o peso corporal sob controle
  • evitar o uso de drogas e excesso de álcool
  • buscar avaliação médica regular
  • combater o sedentarismo

 

Continue Lendo

Paraíba

Em 10 anos: pela 1ª vez Paraíba fica livre da seca por três meses consecutivos, diz monitoramento

Publicado

em

Por

Redação do Portal da Capital

O Estado da Paraíba, pela primeira vez em dez anos ficou livre da seca por três meses consecutivos. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (24/07) pela Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), através do Monitor da Seca.

De acordo com as informações oficiais, a Paraíba seguiu livre de seca no Estado entre abril e junho. Desde o início do Mapa do Monitor, em julho de 2014, é a primeira vez que a Paraíba fica livre de seca por três meses consecutivos. O estado registra a melhor condição do Brasil em junho juntamente com Alagoas, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Sergipe.

Entre maio e junho, em termos de severidade da seca, houve um abrandamento do fenômeno em três unidades da Federação, conforme a última atualização do Monitor de Secas: Mato Grosso, Pará e Roraima. No sentido oposto, em outras oito unidades da Federação a seca se intensificou nesse período: Acre, Amazonas, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná e São Paulo. Em termos de severidade, a seca ficou estável em dez unidades da Federação: Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rondônia e Tocantins. Outros seis estados seguiram livres de seca em junho: Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Sergipe.

Considerando as cinco regiões geopolíticas acompanhadas pelo Monitor de Secas, o Nordeste registrou a melhor condição do fenômeno em junho com Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte e Sergipe livres de seca. O Norte teve a maior intensidade do fenômeno com o registro de seca extrema em 2% da região e de seca grave em 20% de seu território. Entre maio e junho, houve um abrandamento do fenômeno somente no Centro-Oeste. Por outro lado, a seca se intensificou no Norte, Sudeste e Sul e se manteve com severidade estável no Nordeste. Considerando a extensão da área com seca, o Centro-Oeste liderou esse quesito com a presença do fenômeno em 86% da região em junho, enquanto o Sul teve o menor percentual: 20%.

Na comparação entre maio e junho, sete estados registraram o aumento da área com seca: Bahia, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo. Já em outros quatro estados houve a redução da área com seca: Amazonas, Ceará, Pará e Piauí. Em dez unidades da Federação, a área com o fenômeno se manteve estável: Acre, Amapá, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rondônia, Roraima e Tocantins. Por sua vez, seis estados se mantiveram livres de seca em junho: Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Sergipe.

Quatro unidades da Federação registraram seca em 100% do território em junho deste ano: Acre, Distrito Federal, Espírito Santo e Roraima. Para percentuais acima de 99% considera-se a totalidade dos territórios com seca. Nas demais unidades da Federação que registraram área com seca, os percentuais variaram de 1% a 98%.

Com base no território de cada unidade da Federação acompanhada, o Amazonas lidera a área total com seca de junho, seguido por Pará, Mato Grosso, Minas Gerais e Goiás. No total, entre maio e junho, a área com o fenômeno aumentou de 5,83 milhões para 5,96 milhões de km², o equivalente a 70% do território brasileiro.

O Monitor de Secas

O Monitor realiza o acompanhamento contínuo do grau de severidade das secas no Brasil com base em indicadores do fenômeno e nos impactos causados em curto e/ou longo prazo. Os impactos de curto prazo são para déficits de precipitações recentes até seis meses. Acima desse período, os impactos são de longo prazo. Essa ferramenta vem sendo utilizada para auxiliar o planejamento e a execução de políticas públicas de combate à seca e pode ser acessada tanto pelo site monitordesecas.ana.gov.br quanto pelo aplicativo Monitor de Secas, disponível gratuitamente para dispositivos móveis com os sistemas Android e iOS.

O projeto tem como principal produto o Mapa do Monitor, construído mensalmente a partir da colaboração dos estados integrantes do projeto e de uma rede de instituições parceiras que assumem diferentes papéis na rotina de sua elaboração. Por meio da ferramenta, é possível comparar a evolução das secas nos 26 estados e no Distrito Federal a cada mês vencido, sendo que o processo de expansão dessa iniciativa foi concluído com a entrada do Amapá no Mapa do Monitor de dezembro de 2023.

A metodologia do Monitor de Secas foi baseada no modelo de acompanhamento de secas dos Estados Unidos e do México. O cronograma de atividades inclui as fases de coleta de dados, cálculo dos indicadores de seca, traçado dos rascunhos do Mapa pela equipe de autoria, validação dos estados envolvidos e divulgação da versão final do Mapa do Monitor, que indica a ausência do fenômeno ou uma seca relativa, significando que as categorias de seca em uma determinada área são estabelecidas em relação ao próprio histórico da região.

Continue Lendo

Paraíba

PB está na lista dos 5 Estados do país que não aderiram ao sistema de ‘Venda Digital’ de veículos

Publicado

em

Por

Redação do Portal da Capital

A Paraíba está na lista dos 05 (cinco) Estados do Brasil que ainda não aderiram ao sistema de ‘Venda Digital’ de Veículos. A ferramenta facilita e agiliza a vida do motorista, que pode fazer a transferência de forma eletrônica, sem precisar ir até um cartório para reconhecer firma.

A informação é da Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran) e o sucesso é tanto que já são 817,598 transações em praticamente todo o país. Porém, além da Paraíba, as outras quatro Unidades Federais (UFs) que se mantém resistentes à adesão são: Amapá, Distrito Federal, Espírito Santo e Maranhão.

A transação de compra ou de venda de veículo pode ser feita por quem tem a Carteira Digital de Trânsito (CDT) usando a funcionalidade Venda Digital, disponível no aplicativo.

O secretário Nacional de Trânsito, Adrualdo Catão, explica que o Venda Digital é um avanço significativo na modernização dos serviços de trânsito no Brasil. “O Senatran está apressando o passo da digitalização para, junto com os Departamentos Estaduais de Trânsito (Detrans), proporcionar ao cidadão um atendimento mais rápido e eficiente. A agenda da desburocratização e da simplificação é prioritária”, detalha.

Como usar o Venda Digital?
Para realizar a transferência de um veículo, tanto comprador quanto vendedor devem baixar o aplicativo Carteira Digital de Trânsito (CDT), criar uma conta e confirmar a identidade.

Após a instalação, o vendedor inicia a transferência via aplicativo, fornecendo detalhes do veículo e o CPF do comprador, que será notificado sobre a transação. A segurança é garantida por uma assinatura eletrônica.

Com a confirmação de ambas as partes, o aplicativo envia os dados para a Senatran, que processa a transferência e atualiza o registro do veículo em tempo real. Assim, você acompanha todo o processo com rapidez e transparência.

Vale lembrar que para usar o benefício, o documento do veículo precisa ter sido emitido a partir de 4 de janeiro de 2021, quando o antigo Documento Único de Transferência (DUT) foi substituído pela versão digital (ATPV-e).

Confira imagem:

Continue Lendo

Paraíba

38 cidades paraibanas aderem ao pacto pela superação do analfabetismo em áreas de Reforma Agrária

Publicado

em

Por

Redação do Portal da Capital

O Ministério da Educação (MEC), por meio da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização de Jovens e Adultos, Diversidade e Inclusão (Secadi), e o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) confirmaram que, pelo menos, 38 (trinta e oito) cidades paraibanas já aderiram ao ‘Pacto’ pela superação do analfabetismo em áreas de Reforma Agrária.

A informação foi confirmada durante o lançamento oficial do Pacto Nacional pela Superação do Analfabetismo e Qualificação da Educação de Jovens e Adultos (Pacto EJA) para áreas de reforma agrária do NordesteA solenidade foi realizada na terça-feira, 23 de julho, no Centro de Formação Paulo Freire, no Assentamento Normandia, em Caruaru (PE).

Na ocasião, também foi assinado o Termo de Cooperação entre o MEC e o Incra para a execução da ação EJA Nordeste. A iniciativa será executada pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). 

Durante o evento, a secretária da Secadi, Zara Figueiredo, informou que o MEC estabeleceu uma parceria com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e com a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) para execução do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera). Com o Pronera, serão investidos mais de 22 milhões para atender 33 mil alfabetizandos, em 332 municípios do Nordeste. 

Segundo Figueiredo, a medida é fundamental para superar o acúmulo de desigualdades no Brasil. “Quando formulamos a política, pensamos nos 11,4 milhões de pessoas não alfabetizadas em todo o País — pessoas, em sua maioria, pobres, negras, da zona rural, com deficiência ou apenadas. Nosso compromisso é trabalhar para que elas tenham um futuro melhor”, afirmou. 

Sebastião Virgínio, de 76 anos, estudante da EJAA professora Erosilda Tenório ressaltou a importância da educação de jovens e adultos (EJA) para a população. “Os alunos ficam muito alegres quando conseguem ler e escrever e, para nós, isso é uma satisfação imensa. A educação para jovens e adultos é fundamental para proporcionar para essa população a chance de lutar mais por seus direitos e de fortalecer, cada vez mais, a identidade dos povos da região e preservar a cultura”, concluiu. 

O estudante da EJA Sebastião Virgínio, de 76 anos, disse que voltou a estudar há pouco mais de quatro anos para aprender sobre si e sobre sua comunidade. “Queria saber mais do meu nome, da história, como ler e escrever. Eu tive que parar de estudar ainda muito novo para poder trabalhar e, hoje em dia, voltar para a escola me faz muito bem”, completou. 

A expansão do Pacto para esse público surgiu a partir de uma demanda de alfabetização nos assentamentos da reforma agrária no Nordeste, por parte do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), ainda em 2023. A ideia é fruto de debates realizados em seminários dos próprios trabalhadores, traduzidos em diálogos entre o MST, a Casa Civil, o MEC e o MDA, que acabaram por qualificar a elaboração do Pacto Nacional pela Superação do Analfabetismo e Qualificação da EJA.  

Confira quantos municípios serão beneficiados pelo Pronera por Estado:

Estado 

Quantidade de municípios 

Alagoas 

15 

Bahia 

100 

Ceará 

32 

Maranhão 

30 

Paraíba 

38 

Pernambuco 

80 

Piauí 

10 

Rio Grande do Norte 

12 

Sergipe 

15 

Total 

332 

Fonte: MST e Casa Civil 

Formação – O Pronera também prevê a formação de professores e educadores, por meio da oferta de cursos aos alfabetizadores que atuarão diretamente nas áreas de assentamento da reforma agrária. A parceria possibilitará a capacitação de 1.468 educadores, juntamente com 185 coordenadores territoriais. O aporte do MEC inclui uma bolsa de R$ 1.200 para esses educadores populares.

A ação faz parte das frentes de parcerias intersetoriais do Pacto EJA, lançado pelo Ministério da Educação, que prevê o investimento de mais de R$ 4 bilhões, até 2027, em diversas ações da política.

Participantes – A cerimônia contou com a presença do presidente do Incra, César Aldrighi; do reitor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Alfredo Gomes; bem como de educadores populares, lideranças comunitárias, estudantes da EJA, representantes dos Fóruns EJA de Pernambuco, secretários de Educação do Nordeste e reitores de instituições de ensino da região. 

Números – Frequentemente o MEC divulga o balanço de adesão das secretarias municipais e estaduais ao Pacto EJA. A Região Nordeste já conta com 93,6% das redes inscritas na política, sendo a que mais aderiu à política entre as regiões do País. Sergipe e Alagoas já atingiram 100% de adesão, seguidos por Pernambuco (98,9%), Ceará (96,2%), Bahia (94,7%), Maranhão (93,1), Rio Grande do Norte (89,9%), Paraíba (89,2%) e Piauí (87,9%). Atualmente, a região conta com mais de 6,1 milhões de pessoas com 15 anos ou mais não alfabetizadas. 

Pacto EJA – Instituído pelo Decreto nº 12.048/2024, o Pacto Nacional pela Superação do Analfabetismo e Qualificação da Educação de Jovens e Adultos é uma política pública construída de forma colaborativa pelo MEC com a União, os estados, o Distrito Federal e os municípios. Seus objetivos são superar o analfabetismo; elevar a escolaridade; ampliar a oferta de matrículas da EJA nos sistemas públicos de ensino, inclusive entre os estudantes privados de liberdade; e aumentar a oferta da EJA integrada à educação profissional.  

O Pacto reúne ações de articulação intersetorial implementadas com a participação de ministérios, da sociedade civil organizada, de organismos internacionais e do setor produtivo. 

Continue Lendo