Nos acompanhe

Negócios

Perda de renda e medo do desemprego fazem brasileiros diminuírem consumo

Publicado

em

Diante de uma crise econômica sem precedentes, de 2014 a 2016, o brasileiro demonstrou ser capaz de fazer os ajustes necessários em seu orçamento familiar com o objetivo de reduzir o grau de endividamento. Nesse período de renda mais enxuta e altas taxas de juros, as famílias priorizaram o consumo de bens essenciais e evitaram comprometer sua renda futura com a aquisição de bens duráveis. De dezembro de 2014 a igual mês de 2016, mesmo com o número de famílias crescendo 1,6% no Brasil, o total mensal de rendimentos dessas famílias, que no fim de 2014 era de R$ 256,9 bilhões, foi reduzido para R$ 256,8 bilhões em dezembro de 2016, uma diferença de R$ 135 milhões (ou queda de 0,1%). Como reflexo dessa relativa estagnação ao lado do aumento do número de famílias, a renda média mensal familiar passou de R$ 4.256,63 em 2014 para R$ 4.187,78 em dezembro passado, representando uma queda em termos reais de 1,6%.

De forma ainda mais intensa, no conjunto das capitais brasileiras – foco do estudo -, enquanto o crescimento do número de famílias foi de 1,6%, houve uma redução de 1,1% no total dos rendimentos das famílias, levando a uma queda real de 2,7% do rendimento médio. Nesse contexto de diminuição da renda, a proporção de famílias endividadas nas capitais, após ter apresentado crescimento entre 2014 e 2015 (de 59% para 61%), registrou uma notável queda de 4 pontos porcentuais (p.p.), ao passar de 61% em 2015 para 57% em 2016. Em termos absolutos, isso significa que o número de famílias endividadas no conjunto das capitais caiu de 9,149 milhões no fim de 2014 para 8,868 milhões em dezembro de 2016, ou seja, mais de 280 mil famílias conseguiram sair do endividamento nesse período.

Os dados compõem a sétima edição da Radiografia do Endividamento das Famílias Brasileiras, realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). O estudo avalia principais aspectos, dimensões e efeitos sobre as famílias da política de crédito no Brasil entre 2014 e 2016, período particularmente turbulento tanto no campo político quanto no econômico. A análise foi feita com base em informações do Banco Central do Brasil, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Com menos famílias endividadas nas capitais entre 2014 e 2016, o valor total mensal dessas dívidas também caiu, em valores reais, cerca de R$ 1 bilhão, passando de R$ 16,8 bilhões em 2014 para R$ 15,8 bilhões no ano passado (queda de 6%). Consequentemente, o valor da dívida média mensal das famílias seguiu o mesmo movimento, ao passar de R$ 1.832 em dezembro de 2014 para R$ 1.777 em dezembro de 2016, um decréscimo de 3% em termos reais, valor também inferior ao constatado em 2015, de R$ 1.851.

Pelo sexto ano consecutivo, o nível de comprometimento médio da renda mensal das famílias brasileiras com dívidas permaneceu estatisticamente estável no mesmo patamar, na casa dos 30% – taxa que pode ser considerada razoavelmente adequada. Em contrapartida, o processo de redução de endividados levou a uma depuração das famílias com capacidade de pagamento de cima para baixo, fazendo com que o conjunto restante tivesse um menor poder aquisitivo relativo. Isso levou à elevação da taxa de famílias com contas em atraso, que passou de 18% em 2014 para 23% em 2015, e assim se mantendo em 2016.

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, ficou evidente a elevada racionalidade na administração do orçamento doméstico pelas famílias brasileiras, bem como o alto padrão de discernimento na avaliação das circunstâncias determinantes nas decisões de consumo. Assim, quando o quadro econômico passou a sinalizar para instabilidade e dificuldades de crescimento, imediatamente as famílias passaram a adotar atitudes mais conservadoras e austeras no padrão de seu consumo, evitando o comprometimento da renda futura e antecipando a deterioração da confiança quanto à sua capacidade de manutenção do poder de compra e até mesmo do emprego em futuro próximo.

Juros
No período de 2014 a 2016, especialmente marcado por fortes instabilidades políticas e por um cenário econômico de grandes adversidades, obrigou as autoridades financeiras a utilizar fortemente a política monetária como principal arma de ajuste dos preços, uma vez que a política fiscal esteve (e permanece) engessada por um exacerbado déficit orçamentário. A taxa básica de juros, principal instrumento utilizado, sofreu correções de rumo desde o início de 2013, quando abandonou um período de baixas artificiais e passou por um ciclo de altas que atingiu 14,25%, até a reversão para uma trajetória de quedas no último trimestre de 2016, no auge do quadro recessivo e quando a inflação passou a dar sinais de arrefecimento.

Conforme destacado anteriormente, houve uma redução sistemática do endividamento entre 2014 e 2016, motivada, entre outros fatores, pela expressiva alta nas taxas de juros finais às pessoas físicas, que passou de 49,3% em dezembro de 2014 para 72,4% em dezembro de 2016. Já o saldo do volume das operações de crédito total para pessoas físicas passou de R$ 929 bilhões para R$ 816 bilhões, ou seja, enquanto as operações de crédito no Brasil encolheram 12,2% em termos reais, as taxas médias de juros anuais cresceram 23,1 pontos porcentuais.

Segundo os economistas da FecomercioSP, essas constatações deixam clara a importância da política monetária sobre o dia a dia e sobre a capacidade de consumo da população, pois a taxa de juros representa um elemento relevante no total do orçamento doméstico e, mesmo de forma inconsciente, os consumidores estão evitando o superendividamento. Sob a ótica da saúde financeira e do controle das dívidas das famílias brasileiras, os resultados consolidados obtidos são positivos e alentadores. No entanto, é inevitável observar também as consequências que as atitudes contencionistas do consumo ao longo do tempo trazem para a atividade econômica como um todo, e até mesmo sobre a própria qualidade de vida dos consumidores.

Para a atividade comercial, a recessão iniciada em 2014 produziu uma queda acumulada de 18% nas vendas varejistas no Brasil, fazendo o setor retroceder aos níveis de faturamento de cinco anos atrás. A recuperação dessas perdas deverá demandar ao menos de cinco a seis anos, crescendo a taxas de 3% ao ano, isso apenas para recompor o padrão de faturamento que foi perdido com a recessão atual. O custo é ainda mais significativo lembrando o potencial de geração de renda e de empregos que foi perdido com essa crise de consumo.

Assim, fica evidente a essencialidade do crédito sobre a economia brasileira, mas o ambiente econômico interno praticamente inviabiliza o seu acesso e a disseminação nos níveis adequados. Os custos dos empréstimos no Brasil são cronicamente elevados e isso é decisivo para impedir este objetivo de torná-lo um instrumento cada vez mais importante para o crescimento econômico interno. Nesse sentido, a Entidade pondera que o governo precisa administrar de maneira adequada as contas públicas, por meio de projeto de controle efetivo de gastos que permita reduzir sua pressão no mercado de crédito e, por consequência, diminuir o custo do dinheiro. Enquanto o ajuste não for concretizado, a Federação aponta que o dinheiro que seria destinado ao consumo continuará a ser direcionado ao setor financeiro, que faz a intermediação legítima de recursos entre poupadores e tomadores de dinheiro.

Destaques nas capitais
Novamente, em 2016, Curitiba/PR foi a capital com o maior porcentual de famílias endividadas (87%), seguida por Florianópolis/SC, que também continuou no segundo lugar do ranking (86%), mesmo com a redução de 2 pontos porcentuais em relação a 2014. Destacaram-se ainda Boa Vista/RR (83%), Brasília/DF (78%) e Natal/RN (75%).

Belo Horizonte/MG e Goiânia/GO foram as capitais que, em 2016, apareceram com as menores taxas de famílias endividadas, com 24% e 27%, respectivamente – índices que representam reduções de 21 e 36 pontos porcentuais em relação a dezembro de 2014. Completam a lista das cinco capitais com a menor parcela de famílias endividadas as cidades de Belém/PA (42%), Salvador/BA (51%) e São Paulo/SP (52%).

Já entre as capitais com maiores médias mensais de dívidas por família, Brasília/DF liderou o ranking, com R$ 2.598, seguida por Curitiba/PR (R$ 2.236), São Paulo/SP (R$ 2.111), Porto Alegre/RS (R$ 2.093) e Boa Vista/RR (R$ 1.952). Em contrapartida, as capitais São Luís/MA (R$ 1.045), Maceió/AL (R$1.024), Aracaju/SE (R$ 988), João Pessoa/PB (R$ 813) e Belém/PA (R$ 802) apresentaram os menores valores médios de dívidas por família, em 2016.

Em termos do porcentual de famílias com contas em atraso, Boa Vista/RR foi a capital com maior taxa de endividados, apontando um conjunto de 43% de inadimplentes em dezembro de 2016. Essa taxa, no entanto, já foi maior em 2015, quando acusou um contingente de 48% de famílias inadimplentes. Em seguida, vieram as cidades de Macapá/AP (39%), Belém/PA (39%), Manaus/AM (37%) e Cuiabá/MT (36%). Já Porto Velho/RO (16%), Brasília/DF (15%), Palmas/TO (14%), Belo Horizonte/MG (9%) e João Pessoa/PB (7%) apresentaram as menores taxas.

Já as maiores taxas de comprometimento da renda com dívidas foram vistas em: Manaus/AM (43%), Boa Vista/RR (42%), Natal/RN (37%), Teresina/PI (37%) e Brasília/DF (36%).

No sentido oposto, as famílias de Vitória/ES (26%), Macapá/AP (24%), Belém/PA (21%), Aracaju/SE (18%) e João Pessoa/PB (15%) foram as que menos comprometeram suas rendas com as dívidas, em dezembro de 2016.

Ranking Nacional (2016)

1 – Porcentual de famílias endividadas
5 maiores
Curitiba/PR – 87%
Florianópolis/SC – 86%
Boa Vista/RR – 83%
Brasília/DF – 78%
Natal/RN – 75%

5 menores
São Paulo/SP – 52%
Salvador/BA – 51%
Belém/PA – 42%
Goiânia/GO – 27%
Belo Horizonte/MG – 24%

2 – Número absoluto de famílias endividadas
5 maiores
São Paulo/SP – 2.008.394
Rio de Janeiro/RJ – 1.167.089
Brasília/DF – 718.671
Curitiba/PR – 551.086
Salvador/BA – 486.471

5 menores
Porto Velho/RO – 78.814
Macapá/AP – 76.726
Boa Vista/RR – 74.910
Rio Branco/AC – 68.249
Palmas/TO – 59.290

3 – Parcela da renda mensal comprometida com dívidas
5 maiores
Manaus/AM – 43%
Boa Vista/RR – 42%
Teresina/PI – 37%
Natal/RN – 37%
Brasília/DF – 36%

5 menores
Vitória/ES – 26%
Macapá/AP – 24%
Belém/PA – 21%
Aracajú/SE – 18%
João Pessoa/PB – 15%

4 – Valor médio mensal de dívidas por família
5 maiores
Brasília/DF – R$ 2.598
Curitiba/PR – R$ 2.236
São Paulo/SP – R$ 2.111
Porto Alegre/RS – R$ 2.093
Boa Vista/RR – R$ 1.952

5 menores
São Luís/MA – R$ 1.045
Maceió/AL – R$ 1.024
Aracajú/SE – R$ 988
João Pessoa/PB – R$ 813
Belém/PA – R$ 802

5 – Porcentual de famílias com dívidas em atraso
5 maiores
Boa Vista/RR – 43%
Macapá/AP – 39%
Belém/PA – 39%
Manaus/AM – 37%
Cuiabá/MT – 36%

5 menores
Porto Velho/RO – 16%
Brasília/DF – 15%
Palmas/TO – 14%
Belo Horizonte/MG – 9%
João Pessoa/PB – 7%

Sobre a FecomercioSP
A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) é a principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços. Congrega 154 sindicatos patronais e administra, no Estado, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). A Entidade representa um segmento da economia que mobiliza mais de 1,8 milhão de atividades empresariais de todos os portes. Esse universo responde por cerca de 30% do PIB paulista – e quase 10% do PIB brasileiro -, gerando em torno de 10 milhões de empregos.

Continue Lendo

Negócios

ParaíbaRádioBlog agora é o ‘Portal da Capital’…

Publicado

em

O ParaíbaRádioBlog, canal de notícias online que existe há cerca de dez anos… ao longo de sua história evoluiu, cresceu e mudou para melhor.

E foi pensando no profissionalismo e numa melhor experiência para os leitores e internautas que, a partir de agora, o seu canal de informações sobre a Paraíba, o Brasil e, também, negócios, se chama ‘Portal da Capital – ONDE O ESTADO SE ENCONTRA‘.

A proposta do ‘Portal da Capital‘ é a de oferecer a você melhorias na experiência do bem informar através de um Jornalismo Investigativo, bem como, da realização de Podcasts e entrevistas com os grandes nomes dos universos político e empresarial, unindo a Paraíba, do Litoral ao Sertão, trazendo, ainda, as notícias mais relevantes de Brasília, a Capital Federal, reforçando a agilidade noticiosa, sem perder o olhar crítico para manutenção da qualidade.

O ‘Portal da Capital‘ está presente nos canais mais relevantes (Facebook, Twitter e Instagram), percorrendo os melhores caminhos e comprovando dia a dia que é neste veículo online onde o acontecimento encontra notoriedade, a notícia encontra a verdade… e onde você encontra a informação!

Sejam todos muito bem-vindos a esta nova era da informação -que começa aqui!, no Portal da Capital!

 

 

Continue Lendo

Negócios

Projeto paraibano fica em 3º lugar nacional no Prêmio Sebrae de Educação Empreendedora

Publicado

em

O projeto ‘InSocialTec’, aplicado de forma on-line com foco em estudantes dos últimos anos do Ensino Médio da Paraíba, foi um dos vencedores da segunda edição do Prêmio Sebrae de Educação Empreendedora. O anúncio foi feito na noite dessa quinta-feira (12) durante a solenidade de premiação, realizada dentro do Congresso BETT Educar 2022, considerado um dos mais importantes eventos de educação e inovação da América Latina.

Desenvolvido por nove professores, a iniciativa tem o objetivo de aplicar uma metodologia orientada ao empreendedorismo com foco no desenvolvimento de competências na área de tecnologia. Para isso, foram envolvidos conteúdos de áreas como Design, Administração e TIC para capacitar os estudantes em tecnologia e, de quebra, ganharem uma formação empreendedora.

De acordo com o professor de Engenharia Elétrica da UFCG, Danilo Santos, que coordenou o projeto e representou a equipe de professores ao receber o prêmio, mais de 290 alunos concluíram o curso, oriundos de diferentes escolas, cidades e níveis de educação, e mais de mil foram impactados. “Estamos felizes com o reconhecimento estadual e nacional, principalmente porque vemos o empreendedorismo como ferramenta de capacitação, capaz de levar novos saberes e aprendizados aos estudantes. Além disso, comprovamos que a metodologia aplicada foi eficaz e os resultados foram ótimos”, afirmou.

Além do conteúdo didático, foi aplicada uma metodologia de imersão através do método ‘from zero to hero’, no qual os alunos foram incentivados a terem uma ideia utilizando os objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU e, em oito semanas, sair da ideia para um conceito ou protótipo funcional. O projeto foi premiado em terceiro lugar na categoria Ensino Médio.

Reconhecimento – Segundo a gerente da Unidade de Educação Empreendedora do Sebrae Paraíba, Humara Medeiros, o prêmio é importante justamente por reconhecer histórias de professores que buscam transformar a vida dos alunos por meio do empreendedorismo. “A Paraíba vem fazendo história. Novamente somos pódio na premiação e isso nos envaidece. É uma grande vitória e reconhecimento do trabalho desenvolvido, além das histórias contadas por esses professores”, avaliou.

O Sebrae, em parceria com o Ministério da Educação, reconheceu o trabalho de educadores que se destacaram na adoção de práticas e metodologias inovadoras de ensino do empreendedorismo para jovens e adolescentes. Em sua segunda edição (a primeira foi realizada em 2020), o Prêmio Sebrae de Educação Empreendedora se consolida entre educadores como uma oportunidade de desafiar os alunos a enxergarem além do que se vê, com criatividade.

Criado com o objetivo de reconhecer professores de todo o Brasil que incentivem experiências, práticas e iniciativas empreendedoras entre os alunos, o Prêmio Sebrae de Educação Empreendedora é dividido em cinco categorias: Ensino Fundamental – Anos Iniciais, Ensino Fundamental – Anos Finais, Ensino Médio, Educação Profissional e Educação Superior. Os projetos são classificados por nível – ouro, prata e bronze. No total, foram inscritas cerca de 700 iniciativas.

Sebrae 50+50 – Em 2022, o Sebrae faz 50 anos, depois de percorrer uma história que se confunde integralmente com a evolução dos pequenos negócios no Brasil durante meio século. Para celebrar a data, a instituição realiza a campanha 50+50, em comemoração aos 50 anos e preparação para os próximos 50, na busca de, cada vez mais, fazer o Sebrae que o Brasil precisa e de ser a força do empreendedor brasileiro. Para mais informações, acesse o site www.sebrae.com.br/50mais50.

Continue Lendo

Negócios

Inep e MEC divulgam tendência de procura por EAD e instituição criada na Paraíba é destaque

Publicado

em

Pela primeira vez, o Brasil registrou preferência por cursos a distância. A tendência havia sido prevista, ainda em 2019, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas (Inep), juntamente com o Ministério da Educação (MEC). Segundo os órgãos, 3,7 milhões de estudantes ingressaram no ensino superior em 2020 e mais de 2 milhões (correspondentes de 53,4% do total) optaram pela metodologia EaD.

Diante dessa nova realidade, é natural que surjam, cada vez mais, instituições focadas na modalidade a distância, conhecidas como ‘Edtechs’. Tratam-se de empresas que usam tecnologia para criar soluções inovadoras na área da educação. No Nordeste, por exemplo, o Grupo Nexus vem se consolidando como um dos maiores da região. “Com oferta de vários cursos, nosso grupo passou a se configurar como o maior em se tratando de empresas e serviços educacionais. Com origem na Paraíba, hoje a empresa é destaque nacional e até internacional, o que nos enche de orgulho”, declarou o CEO do grupo, Alcimar Martins.

Ele destaca que o grupo não trabalha apenas com graduação, mas também com pós-graduação, Educação de Jovens e Adultos (EJA), cursos profissionalizantes e técnicos, por meio de parceria com a instituição internacional Enber University, dos Estados Unidos. Mais de 500 alunos estão fazendo as suas pós internacionais de maneira remota, pela Enber University e a Educa Nexus já conta com mais de 4 mil novos alunos, só no ano de 2022. Na parte de ensino técnico o Educa Nexus trabalha com mais de 20 cursos nas mais diversas áreas, como: Contabilidade, Administração, Edificações, Computação Gráfica, Eletrônica, Eletrotécnica, Marketing, Mecânica, entre outros.

“Não dá para deixar as oportunidades passarem por falta de qualificação acadêmica e na Educa Nexus, você pode pode fazer isso direto da sua casa”, finaliza Alcimar.

Continue Lendo