Nos acompanhe

Paraíba

Paraíba sedia 1° Encontro de Coordenações Estaduais do Nordeste Acolhe

Publicado

em

Paraíba sedia, nesta quinta e sexta-feira, o 1° Encontro de Coordenações Estaduais do Nordeste Acolhe. O evento, coordenado pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Humano (Sedh), acontece na Fundação Casa de José Américo, é organizado pela Coordenação Estadual do Programa Paraíba que Acolhe e objetiva realizar um balanço do processo de implantação do Nordeste Acolhe nos Estados.

Os dois dias também servirão para fazer umaavaliação da gestão e execução dos programas; discutir os principais desafios e traçar um planejamento ante as experiências e boas práticas já adotadas durante esse ano, como forma de ampliar a cobertura e garantir a proteção às vítimas das consequências sociais e econômicas deixadas pela Covid-19.

Na Paraíba, o Governo do Estado criou o Programa Paraíba que Acolhe, para conceder benefício para crianças e adolescentes órfãos da pandemia da Covid-19. Atualmente 55 crianças e/ou adolescentes recebem o benefício, num total de 32 famílias. Os pagamentos, iniciados em dezembro de 2021, tiveram reajuste no último dia 22, passando a R$ 534,00 por cada criança e adolescente beneficiado pelo Programa.

O Encontro de Coordenações Estaduais do Nordeste Acolhe é destinado aos profissionais que atuam na coordenação do Programa de Assistência às Crianças e Adolescentes órfãos da Covid-19 nos estados do Nordeste, que executam e gerenciam programas de proteção e cuidado para crianças e adolescentes órfãos da pandemia da Covid-19, por meio do Programa Nordeste Acolhe, coordenado pela Câmara Temática da Assistência Social do Consórcio Nordeste.

A secretária de Estado do Desenvolvimento Humano, Pollyanna Dutra, destacou que o Nordeste tem algo que nenhuma outra região tem: o acolhimento “Quanto foi providencial esse programa começar no Nordeste, porque o que mais sabemos fazer é acolher as pessoas, e o Nordeste entendeu que solidariedade é uma política pública. Esse programa tem uma intersetorialidade, precisa dialogar com demais programas da Assistência Social. A pandemia acabou, mas as consequências ficaram”, observou.

Pollyanna lembrou da história de Valmira, empregada doméstica, solteira, e sua irmã, que tinha quatro filhos, foi acometida com a Covid e faleceu. “De quem é a responsabilidade dos quatro sobrinhos de Valmira? E o poder público do Nordeste entende que a responsabilidade é do Governo, de cada um de nós. E atualmente Valmira deixa de ser empregada doméstica para cuidar dos sobrinhos, porque hoje tem um benefício”.

A coordenadora do Paraíba que Acolhe, Jéssica Juliana, disse que o encontro tem como objetivo fazer um balanço das coordenações que fazem a gestão do Programa Nordeste Acolhe nos estados. “A expectativa é que possamos avaliar o Programa, criado para órfãos da Covid nos estados do Nordeste; como também traçar perspectiva para o futuro. Há um ano e meio, os estados ficaram com incumbência de implantar programas específicos, na Paraíba implantamos em novembro de 2021, em dezembro já tínhamos beneficiários recebendo o benefício. E aqui faremos também o processo de construção de um planejamento a ser trabalhado conjuntamente e alinhados entre os estados do Nordeste”, comentou.

Juliana lembrou que a Paraíba foi o primeiro estado a implantar o programa, “e hoje somos o segundo em número de beneficiados, temos 55 que recebem o benefício; o Programa mudou suas histórias, e como esse benefício está sendo importantíssimo na condução dos cuidados com essas crianças e adolescentes”.

Paraíba que Acolhe – O programa é resultado de uma ação da Câmara Temática da Assistência Social do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste (Consórcio Nordeste), que estabeleceu o programa ‘Nordeste Acolhe’ em todos os estados da região. Além do auxílio financeiro, as crianças e adolescentes têm acompanhamento do rendimento escolar e são inseridas nas redes socioassistencial e de saúde do estado.

O acesso ao benefício ocorre por meio do cadastro social realizado pelos Centros de Referência de Assistência Social (Cras), que também estão responsáveis pelo acompanhamento das famílias ou rede social que acolheu as crianças e adolescentes órfãos em virtude da pandemia da Covid-19.

O benefício será pago até a maioridade civil das crianças e adolescentes órfãos da Covid-19, assegurando o direito à garantia da vida, saúde, educação, lazer e acesso à alimentação.

Continue Lendo

Paraíba

Mídia nacional destaca história de paraibana que vive em Nova York e quer construir oásis no Sertão

Publicado

em

Por

Redação do Portal da Capital

A imprensa nacional está divulgando a história de uma paraibana, que mora em Nova York, que está trabalhando duro para realizar o sonho de construir um óasis no Sertão paraibano, mais precisamente, para a região de Piancó.

Geralda Sarraf é fundadora da ONG Love Together e está mobilizando gente e empresas que desejam apoiar a causa do seu grupo que já realizou grandes feitos para levar mais dignidade à população mais carente do Município de Piancó.

De acordo com a matéria divulgada pela Folha, a ONG fundada pela paraibana foi criada por em 2014 e com governança local, perfura poços de água e cria oportunidades para crianças e jovens no semiárido da Paraíba.

Clique aqui e confira a íntegra da matéria com fotos ou leia o texto abaixo:

Paraibana que vive em Nova York quer construir oásis no Sertão

À frente da ONG Love Together, Geralda Sarraf busca apoio para centro educacional após levar água para comunidades e hospitais em Piancó

Quis o destino que uma sertaneja de Piancó, a 400 km do mar da Paraíba, encontrasse dois amores em Nova York. Mas a filha da terra rachada, irmã de nove, acredita mais nos planos divinos do que em golpes do acaso.

“Deus me tirou do sertão”, diz Geralda Sarraf, 44, que há 20 anos conheceu o marido John, início de uma história de amor e de um futuro fora do Brasil.

‘Deus me deu história’, diz Geralda Sarraf sobre os 10 anos da ONG Love Together, que dá dignidade à população de Piancó, no sertão da Paraíba 

Dono da US Alliance Papel, o empresário da indústria de papel também havia deixado seu país na juventude, partindo com a família para os Estados Unidos pouco antes da ascensão do aiatolá Khomeini no Irã.

John Sarraf se encantou pela personalidade alegre da brasileira de fala mansa que estudava inglês em Nova York. Tanto que casou dois anos depois, projetando uma vida afortunada em Old Westbury para a retirante que se convertia ao judaísmo.

“Moro em uma casa linda, com quintal gigantesco, quadra de tênis e piscina, mas fecho os olhos e me vejo no calor do sertão, ainda menina, vendendo tapioca e picolé”, diz Geralda sobre seus dois mundos.

Ela se emociona ao evocar a terra natal em um sinal de que carrega as memórias da infância na escassez. “Nunca tive planos de viver em outro país, sinto falta do meu povo, mas prometi dar uma vida diferente a meus filhos.”

Os quatro herdeiros da paraibana radicada nos Estados Unidos eternizam esse amor pela família materna. E Geralda sempre homenageia a própria mãe em longas publicações nas redes sociais.

“Mamãe trocava roupa por arroz, feijão, queijo e galinha e nunca deixou a gente trabalhar em casa de família”, conta ela sobre Hozana Maria Rodrigues, 79, que continua morando em Piancó e toca uma fabriqueta de roupas made in sertão.

O segundo amor Geralda encontrou há dez anos, quando tomou coragem para tirar do papel um projeto que carrega como missão de vida. “Fiz uma promessa a Deus de nunca esquecer meu povo.”

A ONG Love Together Brasil, criada por ela em 2014 e com governança local, perfura poços de água e cria oportunidades para crianças e jovens no semiárido da Paraíba. Comunidades inteiras, escolas, delegacias, igrejas e hospitais foram beneficiados pelo projeto —voluntário e sem apoio governamental. “Somos verdadeiros, temos emoção”, diz a fundadora.

‘Moro em uma casa linda, com quadra de tênis e piscina, mas fecho os olhos e me vejo no calor do sertão, ainda menina, vendendo picolé’, Geralda Sarraf sobre a infância em Piancó (PB)

Para chamar a atenção, em terras americanas, de potenciais patrocinadores para a problemática da sede dos sertanejos, a bem relacionada Geralda se valeu de contatos VIPs. “Uma pessoa normal não teria a ousadia de ligar para essas pessoas”, brinca ela sobre a poderosa agenda telefônica.

Foi no mundo da moda que a causa ganhou força. Primeiro com apoio da amiga Michelle Alves, ex-modelo da Victoria’s Secret, do assessor de top models e estilista Dinho Batista e do estilista Almir Slama, que engajaram outras celebridades.

Caso das modelos Isabeli Fontana, Cintia Dicker e Daiane Sodré, dos artistas Gabriela Duarte e Di Ferrero e do empresário Tato Malzoni, entre outros.

Pelo menos 2.000 famílias foram atendidas diretamente pela Love Together, que organiza jantares, bazares e campanhas na internet para captar recursos. Mesmo com apoio dos padrinhos famosos, Geralda relata a dificuldade de manter o projeto sem ajuda recorrente.

“Sobrevivemos dez anos no voluntariado, é meu maior orgulho, mas as doações são sempre das mesmas pessoas.”

Exemplo concreto de como a ONG tem sido fundamental para os sertanejos é o apoio ao hospital de Piancó, que atende 18 municípios.

Com doação de empresários, Geralda conseguiu garantir água intermitente, pintar a unidade, instalar ar-condicionado, um aparelho de ultrassonografia para a UTI e enxoval para os leitos infantis —além de kits de proteção individual, máscaras e termômetros durante a pandemia de Covid-19.

“Antes da doação do poço, em 2017, o hospital consumia dois carros-pipa por dia”, conta Inêz Leite, que foi diretora-geral do Hospital Regional Wenceslau Lopes até 2022. “Além de reduzir gastos, foi de fundamental importância pois temos serviços de urgência e emergência, cirurgia, UTI.”

Leite conta que a população de Piancó é “um povo machucado” e que crianças chegavam ao hospital com infecções intestinais e desnutrição, retrato da qualidade da água e da alimentação das famílias.

“E não temos ajuda nenhuma, só a Love Together mesmo e Geralda, que é uma pessoa agradecida à sua terra.”

Depois de 50 poços perfurados, a sertaneja prova que a promessa a Deus está de pé: vai construir um centro educacional, cultural e esportivo para atender a mais de 20 cidades no semiárido.

“É o oásis do sertão. Quero que as crianças tenham o que não tive”, diz ela.

O terreno de 2.500 m² na zona urbana de Piancó, adquirido por parceiros da ONG, será um espaço que pretende oferecer reforço escolar, atendimento médico básico, qualificação profissional e atividades esportivas para a comunidade.

Para isso, a paraibana se vira como pode: criou uma campanha de mobilização, mantém diálogo com autoridades brasileiras em Nova York e embaixadores da causa. Chega a pedir sacos de cimento a R$ 35 nas suas redes sociais.

“Água é tudo no sertão, mas assistencialismo não basta, é a educação que quebra o ciclo da pobreza, como ensinou mamãe. Você pode estar de chinelo, mas com educação você vira a chave para o futuro”, afirma Geralda.

‘É o oásis do sertão. Quero que as crianças tenham o que não tive’, Geralda Sarraf sobre a construção do centro Love Together Brasil

Exemplos que ela vê em casa, ao se orgulhar dos filhos gêmeos, Guilherme e Francisco, que se formam em medicina, e ao apoiar o marido John na candidatura ao conselho de educação local.

“Cada aluno deve ser preparado para o sucesso, não para se tornar guerreiro da justiça social”, diz John, com a proposta de excelência acadêmica e pensamento independente para as escolas.

Vinte anos depois de fazer as malas e tornar Nova York sua terra, a paraibana faz uma análise de quem se tornou.

“Vim de uma geração que não pôde sonhar, somos invisíveis no sertão. E quando você aceita o sentimento de inferioridade, é difícil, mesmo com terapia, resgatar a autoestima. Mas o sertão me fez quem sou e me sinto realizada, Deus me deu história.

Continue Lendo

Paraíba

Paraíba recebe nos dias 25 e 26 palestrantes de todo o país para o Seminário Nacional Sobre Drogas

Publicado

em

Por

Redação do Portal da Capital

Nos dias 25 e 26 de abril, no Auditório 01 do Espaço Cultural, em João Pessoa, será realizado o “I Seminário Nacional Conhecer e Conquistar: Cultura, Drogas e Cidadania”. O Seminário contará com palestrantes da Paraíba (João Pessoa e Campina Grande), Pernambuco (Olinda e Recife), Bahia (Salvador), Rio de Janeiro (Rio de Janeiro) e Rio Grande do Sul (Porto Alegre).

O evento fará o debate sobre drogas com a qualidade que ele necessita, com pessoas e organizações conhecedoras de diferentes aspectos, Saúde, Economia, Redução de Danos, Religiosidade, Cultura, Culinária, Pesquisa Científica. Maconha e os Cogumelos, com pesquisas mais avançadas no Brasil, formarão a mesa de encerramento do Seminário.

Os participantes serão certificados (16h) pelas organizações que fazem o evento, Liga Canábica, Jardim, Acaflor, No Ar Para Somar e Produtora Maré. Serão sorteadas entre os inscritos 5 matrículas no Curso Mente Manifesta, da Associação Psicodélica do Brasil (APB).

Durante os dias 25 e 26 ainda ocorrerá exposição fotográfica e lançamento de livro referente ao concurso de fotografia e o concurso de poesia realizados como atividades preparativas para o Seminário.

Confira programação:

Continue Lendo

Paraíba

TCU convoca população para auxiliar em fiscalização de obras da Codevasf na Paraíba; veja

Publicado

em

Por

Redação do Portal da Capital

O Tribunal de Contas da União (TCU) iniciou auditoria (processo TC Processo 009.611/2023-1), de relatoria do ministro Jorge Oliveira, para fiscalizar a contratação de serviços de pavimentação de vias urbanas pela Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba), empresa pública que atua junto ao governo federal em mais de 3 mil municípios do país.

De acordo com informações oficiais do TCU a auditoria alcança municípios localizados no Estado da Paraíba onde a Codevasf possui atuação através da realização de obras de pavimentação.

Neste trabalho, o Tribunal espera ampliar a participação cidadã para avaliar o alcance e a atuação da sociedade em contribuições para as fiscalizações do órgão pelo país. Por isso, o TCU elaborou algumas questões que podem ser respondidas pela população baseadas nas observações das cidades ou dos municípios dos estados onde a Codevasf tem atuação: Amapá, Pará, Mato Grosso, Maranhão, Tocantins, Goiás, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Minas Gerais e Distrito Federal.

Confira as questões:

  • No seu município as ruas com pavimento são as mais movimentadas?
  • As ruas pavimentadas têm material de boa qualidade?
  • Há quanto tempo você não vê uma obra de pavimentação na sua cidade?
  • Mais ruas pavimentadas no seu município faz você se sentir valorizado enquanto cidadão?
  • Você tem alguma mensagem aos auditores do TCU responsáveis pela fiscalização destas obras de pavimentação?

As respostas ou relatos do cidadão podem ser enviados ao TCU por meio da Ouvidoria, pelo e-mail [email protected], ou pelo telefone 0800-644-2300 (escolher a opção 1).

A fiscalização nas obras da Codevasf

A auditoria tem foco em contratos assinados após maio de 2022 e realizados por meio de Sistema de Registro de Preços. A questão principal é saber se a metodologia de contratação está adequada às melhores práticas de gestão, de maneira que possa promover a efetividade, eficiência e eficácia na política pública de melhoria nas vias públicas urbanas.

Desde 2018, tem sido investido, por meio da Codevasf, um grande volume de recursos públicos federais para pavimentação urbana. Contudo, atividades de controle do TCU e da CGU concluíram que as contratações não vêm observando boas práticas de engenharia, notadamente no que diz respeito a deficiências nos critérios de seleção das vias a serem pavimentadas e na fiscalização, o que resultou em determinações e recomendações do TCU com objetivo de incrementar a qualidade das obras.

Após quatro anos das primeiras fiscalizações, o TCU vê com urgência a necessidade de avaliação da efetividade do programa, comparando-o com outras metodologias que vinham sendo adotadas anteriormente e que dizem respeito à gestão de obras dessa natureza.

Continue Lendo