Nos acompanhe

Artigos

Movimentos de Veneziano e Romero dão clareza sobre times que serão escalados para o pleito na PB

Publicado

em

* Por Suetoni Souto Maior

Não faz muito. Há um ano, o governador João Azevêdo (Cidadania) caminhava sozinho rumo à reeleição. Parecia a reedição de 1998, quando o então governador José Maranhão (MDB) deu um passeio no pleito e ganhou mais quatro anos de governo. Alguns meses e vários mal entendidos depois, o cenário já não é de céu de brigadeiro, apesar de o favoritismo estar quase sempre com quem está no poder. Os episódios revelados nesta quarta-feira (20), com o distanciamento do senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB) e aproximação do ex-prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSD), são provas da intensa movimentação política.

Apesar de esta quarta-feira ter sido reservada apenas à concretização do que era esperado, o movimento das peças no xadrez político desencadearam novas jogadas. Primeiro, Ana Cláudia Vital do Rêgo, mulher do senador, entregou ao governador o cargo de secretária do Desenvolvimento e Articulação Municipal do estado. Ninguém tinha dúvidas de que isso ia acontecer, mas havia no governo alguma esperança de apaziguar os ânimos, apesar de que eram poucas. O parlamentar emitiu sinais de rompimento e eles foram elevados desde o ano passado, por causa do alegado constrangimento a Ana Cláudia durante evento do governo.

Neste meio tempo, Veneziano foi a Lula, ampliou o afastamento de João Azevêdo e deu liberdade para que o vereador de João Pessoa, Mikika Leitão (MDB), presidente municipal do partido, espalhasse a defesa de que o partido teria candidatura própria. Nesta semana, sem paralelos no passado recente, o ministro Vital do Rêgo Filho, do Tribunal de Contas da União, brotou nas rádios dando entrevistas. Para completar, a direção estadual do PT, que vinha dialogando com a vice-governadora Lígia Feliciano para a disputa estadual, decidiu dar um cartão vermelho na virtual candidata ao governo e agora olha para Veneziano.

Com isso, o senador passa a ser um nome cortejado para oferecer palanque ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na Paraíba. O apoio a ele é desejado também por João Azevêdo que, diga-se de passagem, lidera a corrida eleitoral segundo as últimas pesquisas. De qualquer forma, o cenário começa a complicar, com o surgimento de nomes no campo progressista e na oposição. Já foram lançadas as candidaturas de Pedro Cunha Lima (PSDB), Nilvan Ferreira (PTB) e especula-se nomes como os do deputado estadual Cabo Gilberto (PSD).

Pelo lado de João, o trabalho alinhavado foi antecipar a aproximação com o grupo de Romero Rodrigues. A secretária de Articulação Política do Estado, Eva Gouveia, chegou nesta quarta à Granja Santana acompanhada de lideranças como o ex-secretário de Saúde de Campina, Felipe Reul, e vereadores aliados de Romero, como Pimentel Filho (PSD), Teles Albuquerque (PSD) e Dra. Carla (PSD). Tudo acompanhado a meia distância pelo ex-prefeito. Todos anunciaram apoio à reeleição de João. Ele vem buscando também apoio de prefeitos do campo adversário, ligados ao PSDB, por exemplo.

O passo seguinte de João será a ampliação da relação com Romero, que é especulado como candidato a vice, mas que trabalha principalmente para ser candidato a deputado federal. Essa aproximação vem na esteira da provável ida de João Azevêdo para o PSD, devido à esperada federação que será criada unindo Cidadania e PSDB. Os próximos dias, portanto, serão essenciais para dar mais clareza ao que hoje está escancarado na posição dos players que de vão para a disputa em outubro. As dúvidas agora são para saber como as postulações no Estado ficarão em relação às nacionais.

Continue Lendo

Artigos

Aguinaldo é o nome na majoritária de João ao Senado… e ponto final!

Publicado

em

O deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP), que também é o líder da Maioria no Congresso, em Brasília, é o nome na chapa majoritária do governador da Paraíba, João Azevêdo (PSB), ao Senado.

A informação foi confirmada ao @portaldacapital por uma fonte segura que ainda fez questão de ressaltar a importância do poder de articulação e negociação do prefeito Cícero Lucena (PP) neste processo.

A fonte ainda frisou que o principal nome de João para o cargo é o de Aguinaldo pela experiência política de alto nível que ele possui.

Aguinaldo Ribeiro é um parlamentar paraibano que tem capacidade de transitar de modo elegante e eficaz por todos os corredores políticos de Brasília independente de quem esteja na Presidência da Câmara Federal, do Senado ou, até mesmo, da República. Tanto que foi ministro das Cidades na gestão da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e hoje é líder da Maioria no Congresso no mandato de Jair Bolsonaro (PL).

E é desse nível de político que possui essa experiência que o governador Azevêdo não abre mão.

A demora, argumenta a fonte, é para que tudo esteja plenamente alinhado em termos de conjuntura para que a chapa se torne sólida e coesa o suficiente para entrar na disputa eleitoral com a força de quem tem plena condição de vitória em um pleito.

De acordo com a fonte, tudo o que se falou sobre um suposto recuo de Aguinaldo com vistas à disputa para o Senado não passou de especulação numa tentativa de confundir a opinião pública que acompanha o universo político apenas de modo superficial. Mas, quem tem um olhar mais apurado sobre a política paraibana sabe que não existe demora na decisão final de João, até porque o prazo da Justiça Eleitoral para apresentação da chapa definitiva ainda não terminou.

A fonte revelou, porém, que o Partido Republicanos é, de fato, um ponto de impasse por oferecer um apoio “quebrado” à chapa de Azevêdo dando suporte ao nome do governador e ao do deputado federal Efraim Filho (União Brasil) ao invés de apoiar a chapa inteira com o nome de Aguinaldo, mas, a mesma fonte afirmou que “este fato ainda é negociável”.

Aguardemos então… os próximos capítulos dessa novela.

Continue Lendo

Artigos

Conversas de Brasília: Aguinaldo avalia 3 saídas, inclusive aliança com Cunha Lima

Publicado

em

Bombardeado por perguntas dos apresentadores Victor Paiva e Lázaro Farias sobre a relação política com a família Ribeiro, o prefeito Bruno Cunha Lima (Campina Grande), numa entrevista ao programa Correio Debate, na última terça-feira, contemporizou e deu a entender que aguardava uma posição sobre aliança do deputado Aguinaldo Ribeiro (PP).

Os apresentadores insistiram. Bruno não evoluiu nas respostas, mas deu sempre a entender que a aliança que mantém com a família Ribeiro (Lucas Ribeiro, filho da senadores Daniella Ribeiro, é o vice-prefeito), a depender de decisões políticas, poderia ser mantida intacta.

Não deve passar despercebido aqui, que o prefeito Bruno recuou de uma declaração dada nos últimos dias de março, quando a senadora Daniella assumiu o controle do PSD, tomando o partido de Romero Rodrigues, ameaçando fazer uma limpeza de aliados na Prefeitura.

Por que Bruno recuou lá atrás e agora se faz de misterioso?

Conversas vazadas de Brasília nas últimas horas talvez contenham a explicação.

Estaria havendo um movimento nos bastidores, lá no Planalto, tocado pelo ex-senador Cássio Cunha Lima e o deputado Welington Roberto, no intuito de unificar toda a direita na Paraíba para a disputa das eleições de outubro. Tentam fazer o presidente Bolsonaro comprar a ideia. A presença de Pedro Cunha Lima em Itatuba, na semana passada, teria sido um gesto.

A novidade é que o deputado Aguinaldo Ribeiro estaria sendo tentado pelo movimento da direita. Além da possibilidade de formação de uma aliança de maior porte para a disputa das eleições estaduais, com a participação de Bolsonaro, haveriam interesses específicos do interesse do Progressistas em Campina Grande. Assim, Cunha Lima e Ribeiro se afinariam.

Neste caso, Aguinaldo seria apenas candidato a deputado federal. Teria dificuldade de levar Cícero, mas os interesses nacionais do partido seriam seguidos.

Em não dando certo o movimento pela unidade da direita, segundo os vazamentos de Brasília, o deputado Aguinaldo Ribeiro se inclinaria pelo lançamento da candidatura da senadora Daniella Ribeiro ao governo do Estado. Pesquisas indicariam a possibilidade de chances, apesar da dificuldade de formar uma aliança mais ampla. Mesmo sem êxito agora, o nome de Daniella estaria sendo trabalhado para o futuro.

Nesta hipótese, Aguinaldo tentaria convencer Cícero a largar o governador João Azevedo e apresentar o candidato a vice-governador.

Mas não está totalmente descartada a permanência do Progressistas na aliança com o governador João Azevedo, mas sem Aguinaldo como candidato a senador. Só muito remotamente ele será candidato ao Senado.

No caso da manutenção da aliança com João, o projeto seria bancado pelo prefeito Cícero Lucena, que precisa da parceria com o governo do Estado para tentar chegar bem em 2024.

As conversas vazadas de Brasília chegam com ares de articulação. Difícil é fazer a checagem.

Continue Lendo

Artigos

Diz-me com quem andas e direi se vou contigo…

Publicado

em

O prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSD), está cobrando da ‘Família Ribeiro’ mais transparência acerca das suas definições políticas com vistas às Eleições 2022.

Bruno está preocupado porque o seu dia a dia partidário e até administrativo está ligado aos ‘Ribeiros’ através de Daniella Ribeiro, que é presidente do PSD (legenda a qual é filiado) e de Lucas Ribeiro (PP), que é filho de Daniella, sobrinho de Aguinaldo Ribeiro e vice na sua gestão à frente da Prefeitura Municipal de Campina Grande (PMCG).

O ponto de incômodo foi gerado a partir do momento em que a ‘Família Ribeiro’ cogitou aproximação com o Governo do Estado e esboçou a possibilidade de participar da chapa governista através de Aguinaldo como pré-candidato de João Azevêdo (PSB) ao Senado pela Paraíba.

E esse é o problema: cogitar possibilidades sem nenhuma confirmação oficial de que estão do lado governista de fato ou do oposicionista.

Por causa dessa indefinição, Bruno passou a ‘pisar em ovos’ no dia a dia por não saber se os ‘Ribeiros’ estão ou não no mesmo barco no qual ele navega pelos mares da oposição ao Governo Estadual e de apoio a gestão do atual presidente Jair Bolsonaro (PL).

Sobre o assunto, o vice-prefeito de Campina Grande, Lucas Ribeiro, disse, recentemente, esperar que a presença do tio, Aguinaldo, na chapa do governador, não afete a relação do partido ao qual é filiado, junto ao atual prefeito, Bruno.

Porém, Bruno insiste no fato de que o processo tem que ser conduzido às claras e não da forma que está, até porque, caso os ‘Ribeiros’ confirmem as possibilidades, ele, enquanto prefeito, precisa decidir como enfrentar uma provável ‘saia justa’ perante o eleitor de Campina Grande, ao tentar justificar que o seu  vice, que é o seu companheiro de gestão, que foi escolhido a dedo, passou a defender e pedir voto para pessoas que representam administrações nas quais ele não acredita.

O que se percebe é que enquanto a ‘Família Ribeiro’ leva todo mundo em banho-maria no ‘frigir dos ovos’ e com o passar do tempo, Bruno só quer uma resposta: ‘diz-me com quem andas e direi se vou junto…’.

Continue Lendo